Chimichurri – las yerbas del diablo

OK, eu que inventei isso de las yerbas del diablo. Mas eu queria dar um tom dramático ao título do post e não achei definição melhor pra este conjunto de ervas muito utilizado na Argentina e no Uruguai tanto para temperar carnes ou pra servir como um molho de acompanhamento para churracos – ou parrillas, como se diz do assado nas bandas de allá.

Existem muitas histórias envolvendo o nome e a criação do chimichirry. A mais forte delas é que no século XIX um comerciante inglês chamado Jimmy Curry esteve na pequena cidade de Cañuelas, província de Buenos Aires, na Argentina, querendo importar carne para a Inglaterra. Enquanto negociavam, convidaram Jimmy para uma tradicional parrilla. Lá chegando, ele ficou encantado com o modo de preparo e o cheiro que a carne exalava, mas ao perguntar o tempero se espantou com a resposta: usavam apenas sal. Como forma de agradecimento e gentileza, no melhor estilo saxão, Don Curry então pediu alguns legumes, condimentos e especiarias para preparar-lhes um novo tempero. Nasceu, desta experiência, o chimichurri (jimmychurry).

Lenda ou não, o chimichurri sempre cai bem com qualquer carne. Os uruguaios temperam as carnes “doces” ou exóticas (como a carne de ovelha, porco etc.), os argentinos gostam de usá-lo no bife ancho (noix, entrecôte, prime rib, filé de costela, watheva!) ou nas chuletas, ou ainda regado com azeite e vinagre para molho que acompanha praticamente qualquer carne bovina.

Na receita há também outra polêmica, pois com o passar do tempo ela foi se modificando. Esses dias encontrei num supermercado um envelope de uma marca famosa mantendo um pouco da base e acrescentando especiarias como cravo da índia, algo que não existe originalmente, por exemplo. Mas acredita-se que a receita original seja essa:

  • 10 g de alho e cebola desidratados
  • 10 g de salsinha desidratada
  • 10 g de pimentão desidratado
  • 10 g de orégano desidratado
  • 10 g de louro
  • 10 g de cebolinha desidratada
  • 10 g de pimenta calabresa desidratada
  • Sal e pimenta do reino a gosto

O liquidificador pode ajudar a picar, mas na ponta da faca fica melhor. Dessa mistura se origina a base, que serve como tempero. Pra que ela vire molho, utilize 300ml de vinagre e vá acrescentando aos poucos 600ml de azeite de oliva extra-virgem.

Dos “industrializados”, ganhei uma vez um pacote de 500g – o que rende MUITO – da marca Del Rey, adquirido num armazém de beira-de-estrada de Arapey, departamento de Salto, no Uruguai. Também encontrei à granel em lojas de produtos naturais.

Deliciem-se 🙂

Créditos da imagem: Flickr ScaredKat. Fonte da receita: AquiArgentina.

8 ideias sobre “Chimichurri – las yerbas del diablo”

  1. Aqui em Buenos Aires eles colocam chimichurry em todas as carnes… desde o chorizo (linguiça) até nos chinchulines ( intestino de ovelha). A parrillada deles já é tão exótica que não tive coragem de experimentar o molho. Todos gostam que se vende pronto no supermercado!

  2. Buenas ,

    Acabei de preparar o molho chimichurry , para acompanhar o churrasco / parilla de domingo, agora é aguardar e deixar curtir . Domingo a noite , novidades…hehehehehehe

    Vlw as dicas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *