Comidas para o ano novo: precisa ter significado?

Quando você não é supersticioso, sua vida se torna muito mais prática. Quando você não tem religião, também. E se você não tem nenhuma doença como diabetes ou hipertensão (ou associadas), então, o revellon pode lá ser uma festa bacana. Isso porque festas de fim de ano são marcadas pela reunião de pessoas que não necessariamente são da mesma família, religião, camada social etc. E quando você está numa festa heterogênea precisa consultar se tem judeu por causa do porco, vegetariano por causa da carne, celíaco por causa do trigo, diabético por causa do açúcar e o caralhaquatro.

Não ter surperstição ajuda bastante nesses casos. Você pode comer um xis no dia 31 de dezembro que você vai trabalhar o ano novo feliz e esperançoso como qualquer um, sem se preocupar que a falta da lentilha vai te deixar menos rico, ou não ter pulado as sete ondas comendo sete uvas te fizeram infeliz.

Uma delícia mas cisca pra trás
Uma delícia mas cisca pra trás

Eu faço questão de não usar branco, por exemplo, mas não é pra me garantir como cético nesses casos ou dar uma de revoltado, é porque gordo de branco em orgia alimentar sempre sai igual criança no jardim em dia de aula de educação artística.

De qualquer forma, eu provavelmente sou o único do meu círculo familiar que não dá muita bola pra isso, mas não ligo muito. Só acho muito engraçado com algumas dicas de alimentos pra virada do ano que andei lendo essa semana no Facebook. Como por exemplo:

Aves: passe longe delas! Elas ciscam pra trás e isso significa retrocesso.

Eu fico imaginando onde existe um registro que armazena a informação de quem comeu o que no universo. Você faz uma entrevista de emprego e pra conseguir ser aprovado alguém consulta o teu cardápio do revellón: “bah, bom rapaz, mas comeu faisão. Faisão é fode, né Jorge? – É, Marco, elimina esse imbecil”.

A romã então, alguém precisava publicar um livro sobre ela. Uns dizem que basta comer uma romã, outros dizem que deve-se guardar consigo 7 caroços do fruto e alguns ainda defendem a tese de que pra se ter prosperidade no ano que se avizinha é cortar a pobre coitada em 7 e só depois consumir. Alguém tinha que fazer um livro de regras, um guia definitivo ou um Réveillon for Dummies.

Eu só tenho uma simpatia: sal de frutas. Esse não pode faltar. Sem regras, você vai precisar de sorte pra não passar 7 horas ou 7 semanas no trono.

Um feliz 2012 a todos os leitores! 🙂

Uma ideia sobre “Comidas para o ano novo: precisa ter significado?”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *