O dia em que encontrei o Ponto G

Feliz do cliente que ao chegar num restaurante fizer um amigo. Feliz do cara que ao sentar-se numa mesa posta receber mais que boa comida, e receber bom humor e afeto. Bem-aventurado o ser humano que ao degustar um bom prato encontrar o Ponto G.

O nome Ponto G é uma brincadeira do chef Vitor Gomes que tenta expressar nele o prazer de uma boa refeição com amigos. Mais que simplesmente comer, uma refeição comandada por este manezinho de nascença e de espírito brincalhão e acolhedor é atingir o orgasmo gastroemocional.

Chef Vitor Gomes esbanjando bom humor
Chef Vitor Gomes esbanjando bom humor

Faltam-me as palavras e o léxico já não mais me basta pra descrever o que presenciei no fatídico domingo derradeiro de dezembro. Sei, porém, de duas relevantes coisas: 1) não vou conseguir expressar todo o prazer que senti neste dia somente com palavras e imagens e 2) as expectativas da analogia com o nome do chef, a gastronomia e o tão polêmico ponto g foram totalmente correspondidas.

O Ponto G Gastronomia não fica na casa do chef, ele É a casa do chef. Numa belíssima construção nos altos do bairro de Santo Antônio de Lisboa, com vista para a praia de Jurerê Internacional, a Ilha do Francês e a reserva de Carijós, Vitor mora há dez anos numa das mais bonitas paisagens de Florianópolis.

Com uma decoração deslumbrante, tendo elementos e objetos pessoais que dão um tom totalmente aconchegante, móveis bonitos e estofados que te abraçam o tempo todo, sem esquecer da boa música que é tocada ao vivo de forma bastante harmoniosa, a casa proporciona prazer intenso do começo ao fim da estadia.

Se a gastronomia ele aperfeiçoou na França e a experiência com cozinha ganhou trabalhando nos fogões de Jacques Le Divellec e Alex Atala, o bom humor e a hospitalidade que o faz sentar na mesa com os clientes e bater um papo descontraído e bem humorado certamente vem do seu DNA florianopolitano.

E é da cozinha terroir manezinha que ele busca muitos elementos pra compor os seus jantares e almoços, sejam eles abertos ao público ou eventos que organiza no seu espaço. À convite da Roberta, responsável pela área comercial do Ponto G, estive no último domingo provando estas delícias. No buffet de antepastos que ele estava terminando de montar quando cheguei, você já nota a cara da capital dos catarinenses e das riquezas que o campo e o litoral oferecem.

Ostras frescas e carpacio de polvo
Ostras frescas e carpacio de polvo

Experimentei e aprovei as ostras frescas, pingadas com limão siliciano pra cortar o veneno, como diz o mané, e também o carpacio de polvo. A mesa também contava com quiches. pasta de atum, seleção de queijos, saladas e pães frescos.

Moqueca de Jacaré e seus legumes, arroz basmati e leite de coco
Moqueca de Jacaré e seus legumes, arroz basmati e leite de coco

Como prato principal escolhi a Moqueca de Jacaré e seus legumes, arroz basmati e leite de coco. Foi a primeira vez que comi jacaré, nunca havia nem tido a curiosidade de conhecê-la, e me surpreendi positivamente. Uma carne macia, tem a textura que lembra a galinha caipira ou a carne suína, e sabor totalmente único.

Frandilha grelhada com Crosta de Ervas, legumes e mousseline de cenoura
Frandilha grelhada com Crosta de Ervas, legumes e mousseline de cenoura

A outra opção era Fraldinha grelhada com Crosta de Ervas, Legumes e Mousseline de Cenoura. Tive a oportunidade de experimentá-la e estava igualmente deliciosa. Veio no ponto, bem temperada e muito saborosa.

Tartelette de ameixa com frutas frescas
Tartelette de ameixa com frutas frescas

Na sobremesa eu já tinha achado o ponto g fazia tempo. Mas gozei mesmo quando a refeição foi completa com uma deliciosa Tartelette de Ameixa com Frutas Frescas. Uma tortinha muito convidativa e de igual forma preparada, com pedaços de frutas frescas em volta, como morango e a própria ameixa, e uma generosa calda de frutas vermelhas.

Café fresquinho
Café fresquinho

O cafezinho veio na hora certa. Um espresso no estilo italiano feito na hora.

O atendimento foi impecável. Durante todo o serviço o pessoal do salão repunha a água nos copos, ofereciam e providenciavam bebidas e nos deixavam muito a vontade. Além, é claro, dos papos com o Vitor que sempre muito atencioso e preocupado checava se tudo estava nos conformes, mesa por mesa. Foram 3 horas de prazer intenso.

Este foi o último almoço de domingo realizado no Ponto G em 2012, e custou R$90 por pessoa, com bebidas não-alcóolicas inclusas. Para o verão 12/13 vêm novidades, mas só aguardando para saber. Esta sequência volta no inverno do ano que vem, mas a casa continua funcionando de quartas aos sábados durante a noite quando é oferecido o Menu Confiance.

Em tempo, os meus mais sinceros agradecimentos à Roberta e ao Vitor Gomes pelo carinho e hospitalidade, e pela inesquecível experiência que eu tive ao encontrar o Ponto G.

Quer encontrar o Ponto G também?

Ponto G Gastronomia

  • Endereço: Rua Padre Rohr, 1717. Santo Antônio de Lisboa, Florianópolis.
  • Telefone para reservas: (48) 8827-1911
  • Aceita cartões: sim
  • Estacionamento: sim

4 ideias sobre “O dia em que encontrei o Ponto G”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *