Arquivo da tag: batata frita

Japa Lanches: o xis do Estreito está de volta

Estamos nos entregando. Estamos perdendo a batalha. Os xis de várzea, o xis moleque, aquele que joga com os dois pontas abertos no campinho de areia está se perdendo. Disse isso aqui quando o Cabeça Lanches, um point pra se comer a iguaria, se juntou com o Espetinho de Ouro e perdeu sua essência. Mais ou menos nesta época surgiu o Cabeça II, que ficava um pouco mais a frente, liderado pelo ex-chapeiro da matriz, o famoso Japa, um dos estandartes da incrível arte de juntar salada, carne e queijo dentro do pão.

japa-lanches-entrada

Por algum motivo a casa não deu certo, ficou apenas a junção do xis com porções astronômicas de camarão à milanesa e, sabemos, que quem faz de tudo não faz nada.

Mas há uma luz no fim deste túnel: O Japa Lanches.

japa-lanches-o-japa

Estive recentemente na loja recém aberta pelo Japa, na Aracy Vaz Callado, e pude reviver o sonho de comer aquele xis que outrora alimentava minhas sextas-feiras. Emocionado cheguei até pedir batata-frita, coisa que só faço no Burgão, que é de onde vem outro chapeiro do Japa. Lá ele era garçom, agora ele divide a chapa com o mestre.

japa-lanches-ambiente

A casa é pequena e aconchegante, fica onde um recém falecido café tentou trazer a gastronomia pra uma das mais tradicionais ruas do Estreito, e agora torcemos que nela o Japa emplaque o primeiro estabelecimento de sucesso.

japa-lanches-xisNa mesa, com meus fiéis companheiros Everton e Samantha, a única primeira-dama do Comideria em exercício (#oportunidade), pedimos três xis: xis bacon, xis egg e xis mignon. É no xis burger que esta comida se revela, se o hambúrguer é bom, o queijo é de boa qualidade e o pão macio e saboroso, então temos jogo. Ademais, é milho, ervilha, tomate, alface e batata-palha, não tem erro ao seguir este script básico.

japa-lanches-batata-fritaA maioense (e sempre ela decidindo a partida aos 47′ do segundo tempo com gol de mão e impedido) é caseira, não deixa a desejar e é bastante saborosa. Leve (a quem quero enganar? meu cardiologista? nutricionista?), temperada e à vontade. Nada de copinhos e palitinhos de plástico, é na bisnaga como deve ser.

japa-lanches-cardapioOs lanches são servidos nas opções “médio” e “grande”, e seus preços variam de R$12 (xis salada médio) até R$20 (o mignon grande).

Ademais, é achar uma vaguinha na Aracy pra estacionar e aproveitar a volta de um dos melhores xis do bairro, iguaria tão raramente saborosa e que agora está de volta!

Japa Lanches

  • Rua Aracy Vaz Callado, 1093. Estreito, Florianópolis.
  • (48) 3365-1081
  • Aceita cartões

Food Park Presidente Kennedy: a revolução da comida de rua

Sei que o título deste post parece um tanto quanto sensacionalista, visto tudo o que tem se falado por aí sobre os famigerados food trucks. Eu sinceramente não acho que food trucks sejam a oitava maravilha do mundo que se alimenta pelo simples fato de estarem sobre rodas. Comida boa e comida ruim pode se mostrar de qualquer jeito. Mas o Food Park recém instalado em São José, cidade que este humilde escriba hoje reside, me traz bastante entusiasmo.

food-park-pres-kennedy-yakisoba-carro

São José é conhecida como a capital da cachorro-quente. Na verdade não é, mas eu insisto em forjar este apelido porque embora tenhamos excelentes representantes de comida de rua mesmo no tradicional quitute gringo abrasileirado, em cada esquina mais do mesmo se repete. Falo de revolução da comida de rua e linko ao Food Park recém formado porque lá é possível chegar de Havaianas sem qualquer constrangimento e comer comida digna de grande chefs. Por revolução quero dizer que eles mudam conceitos, quebram paradigmas (por mais que a expressão seja batida), aproximam o seu público do seu trabalho de maneira muito intimista trazendo uma experiência gastronômica bastante rica pra quem estaciona na frente da Vox Multimarcas.

E por falar em Vox Multimarcas, aqui fica meus parabéns pra esta empresa revendedora de carros que abriu cancha pra essa turma mostrar sua arte em seu pátio. Isso, turma, food park é a reunião de food trucks num espaço em comum.

Dito isso, vamos falar de comida?

Pois é. Tudo começou com Yakisoba. Foi o macarrão chinês bordado de carne, frango e legumes com molho oriental e aqueles rolinhos fritos, os harumakis, que abriram picadas na Av. Presidente Kennedy servindo um rango dos deuses. Foi pelas mãos do Carlos Barufe e da Jaqueline Nanon que o ainda embrionário Food Park Presidente Kennedy começou.

food-park-pres-kennedy-yakisoba

O Yakisoba é talvez a comida de rua mais bem servida que eu tenha visto. É possível matar a fome de outras vidas pedindo um destes pratos, seja de carne ou de frango, seja até o vegetariano e quem dirá o novo e especial com molho Teriyaki. Bem servido e saboroso, diga-se de passagem. Você come inteiro pra não perder a oportunidade e volta pra casa rolando e dando risada por ter enchido tanto a pança por tão pouco dinheiro.

food-park-pres-kennedy-harumaki

Um Harumaki de chocolate é uma boa pedida pra fechar a refeição (se você for valente ou dividir o Yakisoba com alguém). Pode levar pra viagem, se for o caso, pra quando o efeito “jibóia” passar.

food-park-pres-kennedy-black-box

Depois se arrinconou o Black Box. Sempre tive curiosidade pra experimentá-lo, as intermináveis filas nos eventos de Food Trucks pela cidade jamais deixaram. Foi ali mesmo no Food Park que começou nosso relacionamento gastronômico. Uns dizem: “ah, mas pagar 15 reais por um cachorro-quente!” Depois de passar a vontade de dar um tapa na cara dessa pessoa, sempre explico a leitura que EU faço: “não é cachorro-quente”. O Black Box Hot Dog Premium traz um conceito parecido do Hot Dog americano (pão e salsicha, assim como assim). Neste caso, um toque de sabor com a Linguiça Blumenau, por exemplo, no caso do Satisfaction — os lanches recebem o nome de clássicos do Rock n’ Roll, do molho de mostarda e do molho vermelho, cebola crispy e queijo parmesão ralado. Lanche também muito bem servido e igualmente saboroso.

food-park-pres-kennedy-satiscation

O Food Truck é muito lindo, pra começo de conversa. Isso já funciona como um ímã que aquela caixa preta de metal atrai. A higiene do carro, o cuidado no preparo e a diversidade do cardápio dificilmente fazem você dar um passo atrás. Sem contar a gentileza do Jean do Dérek, que explicam cada detalhe da comida como se estivessem concebendo a receita na hora.

food-park-pres-kennedy-ribs

Nesta semana chegou o tão esperado Ribs Food Truck. O Ribs é projeto antigo do Fernando Giusti que já trabalhou na cozinha mais sofisticada de São José, conheceu comida rápida em outros ares e agora junta toda a sua bagagem pra oferecer hambúrguer. O Ribs fecha essa tríade de comida salgada de maneira bastante deliciosa. Ribs é o nome do Food Truck e também batiza o carro-chefe composto de hambúrguer de costela defumada, pão especial, queijo, alface, tomate, pickles, maionese do Chef e mostarda vinda lá dos pagos do Sul.

food-park-pres-kennedy-hamburguer-costela

Olho no lance pra não perder nenhum detalhe deste sanduba.

food-park-pres-kennedy-rabiosa

E já fica a dica pra que você não arrede os pés deste Food Park sem experimentar a Rabiosa. Além do Hambúrguer de Costela o Ribs oferece uma batata frita com corte especial que vem muito bem temperada à mesa (finalmente alguém temperou batata, gente!), chega a ser possível comer junto os raminhos de alecrim que dão cheiro e sabor inigualáveis. O molho de pimentas frescas desenvolvido especialmente pra esta iguaria, levemente picante (que dá bastante sabor mas não queima a boca de quem não é acostumado) também merece meus aplausos.

food-park-pres-kennedy-brigadeiros

Fecha o quarteto fantástico uma opção de doces. Como diz o manezinho “é bom pra tirar o travo”. O Sweet Road faz doces especiais e boa parte deles é inspirada no brasileiríssimo brigadeiro. Eu experimentei dois deles, o brigadeiro de Oreo (tudo com Oreo fica bom, anotem) e o brigadeiro de paçoca. Gostei destes pois pois eles não são só uma massa muito doce. Eles têm em sua composição ingredientes que o fazem ficar saborosos sem ser adocicados em demasia. Mas nem só de brigadeiros vive o Sweet Road: doces especiais com frutas, casquinhas de sorvetes e até brownies pintam por lá dependendo da inspiração do chef patisseur.

Vocês já se cansaram de tanta comida ou guardaram um espacinho pra Kombi mais charmosa da cidade?

food-park-pres-kennedy-kombatata-arieli

Bom, ainda tem mais. Tem as folgas da galera. E quando um folga, outro convidado de honra aparece. Aqui cito um Food Truck que não é o Chitãozinho nem o Xororó mas me deixou 60 dias apaixonado. Com o perdão do trocadilho idiota, e com o ritmo que não é o da casa, a Janis Gastronomia traz a Kombatata até o Food Park quando o Yakisoba faz sua parada de descanso às sextas-feiras. Pratos batizados com nomes de astros do Rock, temos no palco da Vox o escondidinho de frango que é feito com mandioca e queijo coalho.

food-park-pres-kennedy-escondidinho

Uma delícia!

food-park-pres-kennedy-kombatata-hendrix

O prato principal é sempre a Kombatata. Esta que comi foi a Hendrix, base de batata, camarão, alho poró, requeijão, farofa de limão e manjericão. Uma delícia de tirar o chapéu e pagar o ingresso renovo. Em alguns eventos de Food Trucks a Arieli Secco prepara a kombatata em forma de sanduíche pois a necessidade do lugar pede algo portátil, mas no Food Park da Presidente Kennedy tem mesinhas onde a kombatata pode ser ela mesma sem medo de ser feliz. E ser gostosa.

Muito bacana ver essa gente linda, elegante e sincera fazendo boa comida, com o brilho nos olhos e sem saber que os livros de história dedicarão no futuro páginas e mais saudosas páginas sobre a gastronomia destes tempos. Que época boa pra se viver em São José, meus queridos leitores. Que época boa pra frequentar a Av. Presidente Kennedy e descobrir novos sabores.

Food Park Presidente Kennedy

  • Av. Presidente Kennedy, 789. Kobrasol, São José/SC.
  • Estacionamento
  • Alguns aceitam cartões

Hamburgueria São José: novo bom burger na terra do cachorro-quente

Sempre digo aqui que São José é a capital nacional do cachorro-quente. Embora seja uma piada com a cidade da região metropolitana da Florianópolis que hoje resido, ela faz sentido: a cada esquina do município existe um carrinho com a iguaria. Isso não seria um problema se eu gostasse do hot dog abrasileirado, se eu suportasse a maçaroca de ingredientes e pudesse, todavia, comê-lo deliberadamente.

hamburgueria-sao-jose-ambiente

Pouco tempo atrás ainda escrevi sobre a vinda de novas casas de hambúrguer que parece ser a nova “moda” aqui na região, e que isso era bom pro mercado. Dá opção de escolha pra quem busca um lanche um pouco mais saboroso que enlatados dentro de um pão com salsicha cozida. Foi assim a descoberta do Boi Burger, é assim agora com a abertura da Hamburgueria São José.

hamburgueria-sao-jose-quadros

Dia destes fui na Feirinha da Freguesia, que acontece todo segundo domingo de cada mês na praça do Centro Histórico de São José, e além de várias atrações como artesanato, feira de antiguidades e apresentações artísticas, há algumas bancas de comida ou food trucks. O próprio Yakisoba da Ponte, outro gigante na comida de rua, participa do evento. Lá conheci um hambúrguer de costela que era feito numa churrasqueira de latão, montado com cebola, alface, queijo colonial e o pão tinha pequenas lascas de parmesão. Foi um almoço saboroso, nutritivo e preguiço de domingo.

Isso foi apenas uma amostra do que a casa fixa deles oferece no bairro Campinas. A Hamburgueria São José conta com 7 lanches no seu cardápio. Atende os mais diversos gostos: carne, frango, bacon, linguiça… nos de carne dá pra escolher entre fraldinha ou costela, por exemplo.

O preço varia entre R$15 e R$19 e serve bem uma pessoa. Cada lanche é acompanhado de uma porção de batatas fritas e molho de maionese caseira temperada, aquela verde, indispensável quando o assunto é carne e queijo dentro do pão.

hamburgueria-sao-jose-costela2

Eu fui de Costela, de novo, em time que está ganhando não se mexe. Pedi o mesmo pão com o tal queijo parmesão por cima. Pão macio, folhas de alface frescas e crocantes, cebola roxa dando a acidez que todo bom hambúrguer pede e o molho coroando a refeição. Além de maionese, barbecue, mostarda e ketchup industrializados, mas de boas marcas.

hamburgueria-sao-jose-hamburguer-mordido

Meu querido sócio Everton Veber foi de Linguiça Blumenau. Aliás, aqui abro um parêntese: burger continua sendo sua jurisdição. É a especialidade deste nobre rapaz, maior conhecedor deste prato não há. Porém como ele está na sua série sobre Buenos Aires e cabe a este humilde blogueiro acompanhá-lo nas descobertas, abriu a mim cancha pra deliberar sobre o assunto. Espero que ele dê seu aval nos comentários depois. Blá-blá-blá ele comeu o Hamburguer de Linguiça. Mistura de carne com linguiça blumenau, também experimentei e estava bem saboroso. Não há um sabor muito forte da linguiça, até porque ela dominaria todo o gosto do lanche. E, claro, precisa dar volume ao bife.

hamburgueria-sao-jose-batata-frita

Todos os bifes de hambúrgueres vieram ao ponto para bem passado, se você gosta de carne ao ponto não custa pedir ao churrasqueiro. Ah, não falei? Pois é, os hambúrgueres são assados na brasa, por isso a confecção dos mesmos pode levar alguns minutos a mais do que um feito na chapa. O tempo é irrisório e compensa no sabor que é muito melhor.

hamburgueria-sao-jose-jogos

O atendimento é perfeito. A Samanta, uma simpática atendente não só nos trouxe todos os pedidos de forma muito simpática e certeira como não deixava que esperássemos muito por eles. Até alguns joguinhos de passatempo ocupavam nossas famintas cabeças enquanto aguardávamos ou comíamos. Rara no mercado, Samanta chega a parecer proprietária da lanchonete, tamanho o seu afinco em defender o produto que vende e o serviço que presta. Atendimento nota 10.

hamburgueria-sao-jose-costela3

Por fim resta recomendar mais este hambúrguer delicioso aqui na cidade e torcer pra que cada vez mais coisas novas como esta apareçam para nooooossa alegriaaaaa.

Hamburgueria São José

  • R. Altamiro di Bernardi, 26. Campinas. São José, SC.
  • (48) 8495-9694
  • Aceita cartões
  • Estacionamento

Bar do Vadinho: não é manezinho quem nunca comeu lá

Nove em cada dez pessoas que me falam sobre o Bar do Vadinho dizem que o lugar é simples. Simples e saboroso. Não é que o restaurante seja simples. Ele só não tem a mania de sofisticação e grandeza que outras casas têm pra trazer a França, Itália e qualquer comida contemporânea para o seu cardápio. Aliás, o Vadinho não tem cardápio. Um restaurante que não tem cardápio e lota das 11 às 16h é qualquer coisa que queiramos classificá-lo, menos simples.

bar-do-vadinho-externa

Se você for visitá-lo na alta temporada(15/12 à 15/03) até vai se deparar com algum folheto plastificado mostrando algumas opções como o rodízio de lulas, camarões, alguns peixes diferentes, mas de março à dezembro, quando ele abre apenas aos sábados e domingos, o prato da casa é um só.

Pra entender o Bar do Vadinho precisa-se conhecer o próprio. Vadinho é filho de pescadores e fez desse o seu ofício a vida toda. Cresceu pescando nas águas do Sul da Ilha e aos 17 anos de idade já singrava os mares da Bahia até a Argentina em busca de pescado para a indústria. Durante 30 anos fez desse o seu ganha pão, assim como boa parte dos homens e mulheres da sua localidade. A casa onde hoje está o seu restaurante é da própria família há nada menos que 114 anos. Simples sou eu me mudei ano passado e já quero trocar de apartamento. Simples é esta minha alugada morada que é feita do pior tipo de cimento, a casa do Vadinho é feita pedra e tem como argamassa óleo de baleia, artefato comum naquela época.

bar-do-vadinho-vadinho

Vadinho anda, se veste e fala de forma simples. Mas não é na simplicidade que sua grandeza se traduz. Em poucos minutos e com uma fluidez de um papo muito envolvente ele linka a mesa ao lado, de um casal de mais idade, frequentadores da casa desde sempre com a nossa. “Hoje é a primeira vez deles aqui”, disse ao casal. “Acho que vão gostar e voltar”. O casal confirmou com a serenidade de quem sabe que o simples legado é maior que qualquer palavra.

Mas vamos falar de comida porque se deixar faço que nem o Vadinho: a tarde passa voando e nem notamos que aguardamos uma hora pra uma mesa, e mais algum tempo para recebermos a comida. Isso mesmo, nem notamos que esperamos quase duas horas desde que chegamos até comermos. A casa enche após ao meio-dia e até as quatro da tarde a concorrência é grande. Tudo ali é feito na hora, absolutamente na hora, não há nada pronto. A bem da verdade nem o peixe está congelado, tudo o que é servido é pescado ali por perto. “Eu tenho uma garoupa ali no freezer há quatro meses. Posso fazer, se alguém insistir. Mas prefiro que vocês comam o que eu tenho fresco, que é melhor e ainda é barato”.

bar-do-vadinho-file-espada

Como disse no início do post o Bar do Vadinho oferece o “prato da casa”. Esse prato custa R$27 por pessoa e pode ser repetido quantas vezes você quiser, embora eu duvide que com a fatura em que é servido alguém consiga, de fato, pedir mais. Na mesa vem: arroz branco, feijão, pirão de caldo de peixe, batata frita, salada mista, peixe frito em postas, filé de peixe à milanesa e “estopa” de arraia, que é uma arraia desfiada ensopada.

bar-do-vadinho-estopa-arraia-desfiada

Não sei se devo falar exatamente de cada coisa que é servida, mas poderia definir como “excelente” todos os ítens. O arroz, bem temperado e preparado; o feijão: sal, alho e só; a batata frita que é batata de verdade e não aquelas congeladas de supermercado. Gostinho de batatinha feita em casa; o pirão tem o tempero da minha avó, comfort food na veia; a tal da arraia desfiada, que há tempos não via em nenhum restaurante ilhéu, mais tradicional impossível, é de comer abraçando o Franklin Cascaes.

bar-do-vadinho-gordinho-frito

O peixe frito em postas era Gordinho. Temperado com sal e bem frito, sequinho, sem excessos de gordura; à milanesa tem o filé de peixe-espada. Esse não dá tempo de agradecer, elogiar ou abraçar ninguém, é pra lamber o prato.

bar-do-vadinho-prato

Tudo, tudo feito ali é gostoso. Tudo o que o Vadinho oferece tem gosto de Florianópolis, pode-se afirmar sem qualquer dúvida que esta comida é a comida do mané, este é o retrato da nossa terra e da nossa cultura. Sem medo nenhum de errar afirmo que é a cara da cidade. Fora dos holofotes, verdade, mas nem por isso menos autêntico.

bar-do-vadinho-pastel-camarao

O Vadinho também oferece o seu tradicional pastel de camarão. Assim como o restante da comida, tudo caseiro. A exemplo da batata-frita, o pastel tem gosto de feito em casa, muito bem recheado e bordado de camarão, sem mixarias.

Nada disso era simples. Pode parecer simples porque é o que fomos (eu pelo menos fui) ensinado a comer quando pequeno. Cresci chupando espinha de peixe e farinha de mandioca era ítem indispensável na despensa. Mas nenhum ítem deste prato é simples, é comida feita com a complexidade de uma cultura que levou décadas pra ser moldada. Tradição, jeito de preparar os alimentos, temperos que tomaram muito tempo nas mãos habilidosas das cozinheiras pra ficarem do jeito que estão. Simples é aquela comida pronta, aquele salmão congelado que você come num restaurante de meia pataca e que te cobra um rim. Simples é nossa mania de reduzir o que não é rebuscado.

bar-do-vadinho-ambiente

Já terminávamos a refeição quando o casal da mesa ao lado passou e perguntou: “o que vocês acharam? gostaram da primeira visita?” só consegui pensar que a vida é muito curta para as novas frivolidades gastronômicas. Aquele casal, assim como eu, dirigiu vários quilômetros de São José até o Pântano do Sul e faz isso com bastante frequência porque eles sabem valorizar o que é bom, simples ou não.

Ao Vadinho, essa figura lendária e folclórica do Sul da Ilha, vida longa para que dê tempo de todos vocês, meus leitores, conhecê-lo e se tornarem assíduos do que julgo uma das melhores experiências gastronômicas que já tive na vida. Simples assim.

Bar do Vadinho

  • Rua Manoel Vidal, 305. Pântano do Sul, Florianópolis.
  • (48) 3237-7305
  • Aceita cartões

BB King Blues & Bauru: conhecendo comida de verdade

Na última vez que saí de casa pra comer, também com intuito de gerar material pro blog, prometi dar uma basta nessa palhaçada que tá virada a gastronomia nessa cidade. Sentei em três restaurantes diferentes até achar algo que prestasse, não tivesse um nome afrescalhado e não custasse o equivalente a uma experiência no metrício.

A gota d’água foi quando abri um cardápio e olhei um risoto por 85 reais. Levantei-me com parcimônia e saí sem sequer agradecer quem atendeu. Deu, né, chefinhos? Tá ficando ridículo pra cara de vocês. A comida tá cara mas arroz continua custando menos de 10 reais um saco com 5kg. Se a trufa tá cara vá pro diabo que te carregue com ingrediente da pátria que não te pariu.

Por isso demorei em postar novamente, foi mais de mês em branco por conta disso. Aproveitando o pleito que se avizinha, faço uma promessa de campanha: só divulgo agora comida de verdade. Pode ter ingrediente afrescalhado, mas vai ter que forrar o buchinho e não esvaziar a guaiaca.

bb-king-blues-bauru-entrada

Até que ontem encontrei comida de verdade. Até certo ponto ogra, confesso, comida pra leão, mas honesta e muito boa. Conheci na Trindade o BB King Blues & Bauru. Bauru é tipo xis, instituição gaúcha. E o bar que homenageia grandes ídolos da música em seus pratos tem na gastronomia portoalegrense suas raízes.

O cardápio é enxuto como todo com menu deve ser, fácil de escolher e entender. Tem bauru no prato (filé mignon ou frango grelhado com molhos e outros ingredientes) mais batata, arroz e salada de acompanhamentos. Tem também o baurú no pão, o mais famoso. Alguns aperitivos pra quem quer só sentar, ouvir boa música, tomar uma cerveja e petiscar um ovo de codorna ou uma tábua de frios, embora o cheiro que emana da cozinha convida sempre pra um bom filé.

bb-king-blues-bauru-refri-cerva

Aliás, os gaúchos desgarrados, boa parte da população da Ilha, podem não só rememorar sua comida como também a casa oferece cerveja Polar e Fruki, outras duas instituições gaúchas, assim como o Gengibirra está pra Curitiba e a Pureza pra Santa Catarina. #fikdik

bb-king-blues-bauru-cervejas

Além disso uma geladeira forrada com vários rótulos de cervejas especiais, pra quem vai nessa vibe.

bb-king-blues-bauru-no-pao

Meus amigos velhos de guerra foram de baurú no prato. Foram no My Lucille com ovo frito. Pão de trigo, filé mignon grelhado, queijo, presunto, alface e tomate. Refeição balanceada que os nutricionistas insistem em não incentivar, afinal tem salada, proteína, carboidrato e uma meia pataca de gordura.

bb-king-blues-bauru-salada

Eu fui nos “baurus no prato”. Esses têm a opção inteira, que serve quatro pessoas, 1/2 porção para duas e a individual que corresponde a 1/4 do tamanho original. Este quarto de prato já é suficiente pra alimentar um leão faminto em época de estio, pois além da carne preparada com os ingredientes correspondente a cada opção, vêm à mesa uma porção de arroz, batatas fritas e uma saladinha verde pra começar.

Já não é novidade para os mais assíduos deste espaço que ando numa fase de comer salada, então prostrei-me à mesa e dei-me à pastar na salada.

bb-king-blues-bauru-arroz-batata

Arroz e batata também perfeitos.

bb-king-blues-bauru-bife-file-mignon

Mas foi na carne que o bicho pegou. Eu escolhi o John Mayal, que era filé mignon à milanesa, queijo, presunto, molho de tomate e molho verde. Era quase uma parmeggiana feita de forma exemplar e muito respeitosa. Saboroso e muito buchisticamente correto.

Paguei 30 pila no meu, com água, porque respeitar a dieta é preciso. Que a minha nutricionista não leia. Que os chefinhos leiam todos e parem de frescura.

BB King Blues & Bauru

  • Rua Lauro Linhares, 1065. Trindade. Florianópolis.
  • (48) 3209-0100
  • Aceita cartões
  • Estacionamento

Botequim du Cais: Empanadas criollas na Costa Esmeralda

Já havia comido em Bombinhas. Os restaurantes que escolhi não eram bons, acabei ficando com uma má impressão do lugar. Mas como a sina do blogueiro de gastronomia é uma atitude de perseverança atrás da outra, neste domingo resolvi aportar novamente na Costa Esmeralda pra conhecer outro pedaço deste pequeno paraíso escondido no litoral norte de Santa Catarina: Porto Belo.

botequim-du-cais-mesas

Dessa vez não fui com uma mão na frente e outra atrás, pesquisei bastante antes de escolher um lugar pra comer. Resolvi seguir a dica da minha “colega de profissão” Daniele Bruxel. Além de morar na região conhece os restaurantes de lá como a palma da sua mão, afinal defende a gastronomia local como food hunter dos Destemperados.

botequim-du-cais-portobelo

E eu não poderia ter feito coisa melhor. Primeiro porque o lugar é muito simpático. Num prédio muito bonito, de frente para o píer de Porto Belo, com uma linda praia de mar que exala beleza mesmo em dias nublados com o sol aparecendo de vez em quando e comida muito boa.

botequim-du-cais-interno

O cardápio do Botequim du Cais é bastante completo, mas não é puro “embromation”. Várias opções que atendem todos os tipos de paladares. Os proprietários são argentinos então é comum ver ingredientes locais com uma forte tendência castelhana no restaurante.

botequim-du-cais-empanadas

Uma boa prova disso é que os pastéis são substituídos pelas empanadas criollas, comida típica argentina trazida pelos espanhóis. E foi por elas que comecei a experimentar o cardápio. Na mesa comemos as de Camarão (que vai queijo catupiry junto), Carne Picante, Cebola e Queijo e Calabresa. A de camarão, que foi a que comi, era muito bem servida. Recheio em cada canto do quitute, nada de mixaria quando o assunto era recheio.

botequim-du-cais-empanadas-recheio

Poderia ficar meia hora falando dessas empanadas, do quanto o sabor delas é incrível, da quantidade de recheio, do tempero, do molho picante que acompanhava todas elas… mas acho que as fotos falam por si.

Mas era preciso comer algo com mais sustância, precisava passar mais tempo naquele lugar calmo (fora da temporada) e queria ficar vendo aquele marzão lindo por infinitas horas. Então fomos ao prato principal.

botequim-du-cais-peixe-queijo-azul

Eu e a Aline comemos Peixe ao Queijo Azul, um prato principal que serve duas pessoas. O prato consiste em filé de peixe (linguado) grelhado e coberto com um delicioso molho branco com queijo gorgonzola. Acompanhava arroz, salada mista e batatas fritas, bem servidas, como guarnição.

botequim-du-cais-peixe-milanesa

Já o Everton e a Samantha comeram o Peixe à Milanesa, desta vez era uma merluza. Os acompanhamentos eram os mesmos.

Os pratos não são gigantescos como estamos acostumados em alguns restaurante, mas são suficientes pra saciar estômagos mais vorazes. É recomendável começar com uma entrada, e as empanadas criollas são as recomendadas. De qualquer modo os pratos são muito baratos (levando em consideração o preço que pagamos em Florianópolis) e têm mais sofisticação e cuidado no preparo que muitos restaurantes daqui. Pra vocês terem uma idéia, o Peixe ao Queijo Azul custou módicos R$60 (e serviu duas pessoas, como já disse). O à milanesa R$45.

Não encaramos as sobremesas porque já estávamos satisfeitíssimos, mas desde o Petit Gateu até outras sobremesas que aparentam ser deliciosas, várias opções delas aparecem no cardápio, também a preços bastante interessantes.

O almoço custou em média R$85 por casal.

Obrigado pela dica, Daniele! Voltarei mais vezes!

Botequim DU Cais

  • Endereço: Rua Manoel Felipe da Silva, 18.
  • Telefone: (47) 3369-5782
  • Horário: abre de quinta à domingo, das 11h às 0h.
  • Aceita cartões: sim
  • Wifi: sim