Arquivo da tag: cogumelos

Du Gandolfo: lindo, saboroso e honesto

E São José continua me surpreendendo. No último fim de semana abri espaço na rígida dieta que venho enfrentando (é, parece que não dá pra ser blogueiro de gastronomia gordo por muito tempo) e fui finalmente conhecer o Restaurante Du Gandolfo, que para meu espanto existe há pelo menos 18 anos (não na mesma região e no mesmo formato, mas com nomes parecidos e próximo dali), e hoje senta suas garras no charmoso Centro Histórico de São José.

du-gandolfo-entrada

O Du Gandolfo faz uma viagem nas gastronomias portuguesa e italiana, que as vezes até se encontram como no “caneloni de bacalhau”, que não experimentamos mas certamente terá sua vez nas próximas idas a este restaurante que muito me emocionou.

Me emocionou não só na comida. Mas na comida, principalmente, e no espaço muito bonito e bem decorado. É uma casa portuguesa, com certeza. Há vários pequenos espaços com mesas confortáveis e decoração que agrada aos olhos não importa onde você os direcione.

du-gandolfo-ambiente

Outra característica que me chamou bastante a atenção é que todos os pratos servem duas pessoas, então é um convite para uma noite romântica que aproveite o ambiente calmo e aconchegante, ou encontro de casais ou ainda amigos, que possam desfrutar das mesmas iguarias e terem resultados diferentes para a mesma experiência.

Mas vamos parar de encher linguiça, vamos falar de coisa boa. E não, não é Tekpix.

du-gandolfo-cesta-paes

Abrimos a refeição com uma entrada. De salada eu já estava até o gogó, então pedi pão. Cesta de pães com Manteiga, Pasta de Beringela, picles de Abobrinha. Não estava no cardápio mas também recebemos neste “kit” de antepastos uns deliciosos pimentões em azeite.

Não dá pra descrever a delícia que é este pão. Não são eles que fazem, mas são feitos sob medida pra eles. Pão do jeito que todo mundo gosta: crocante por fora, bastante macio e saboroso por dentro e quentinho, saído do forno. Não fossem tão gostosos quanto os acompanhamentos desta entrada, seria uma heresia não comê-lo sozinho.

du-gandolfo-jarra-suco

Outra coisa importante que precisa ser bastante destacada: as bebidas. Você não vai morrer pagando uma prestação do cartão de crédito se pedir um vinho da carta ou uma jarra de suco de laranja. Esta bebida tão cara nos demais lugares, ganha aqui sua versão em jarra, totalmente natural feito com a fruta, 700ml por menos de 9 reais. O que parece até uma idiotice dizendo assim, é um grande feito se compararmos restaurantes do mesmo nível por aí.

du-gandolfo-cataplana-mignon

Eu fui na culinária portuguesa. Queria experimentar esta Cataplana com medalhões de Filé Mignon, molho vermelho com creme de leite, cogumelos e batatas. O prato é acompanhado de arroz, mas já seria suficiente degustar esta cataplana pura, assim como o pão da entrada. Aliás, este delicioso molho vermelho com creme de leite poderia ser muito bem “xuxado” por aquele pãozinho da entrada. Um #fikdik pra casa!

du-gandolfo-mignon-quatro-formagio

O Everton e a Samantha, que faziam costado nesta refeição, foram pro lado italiano do Du Gandolfo. Eles pediram e degustaram (e eu provei um quinhão) do Filé a Quatro Formagio. Mais Filé Mignon, molho de quatro queijos, batatas e que veio acompanhado de um delicioso talharim na manteiga.

du-gandolfo-talharim-manteiga

Mais uma vantagem da casa: não importa se é prato principal ou acompanhamento, a qualidade sempre será excelente. Mesmo um simples arroz, mesmo este talharim na manteiga que me causa enxurradas de saliva até agora, são feitos sob o mais absoluto cuidado e sabor.

du-gandolfo-petit-gateau

Eles ainda pediram sobremesa, que não experimentei mas registrei: Petit Gateau. Se era bom, perguntem pra eles.

Não precisa dizer que recomendo uma visita nesta casa. Um dos poucos lugares onde come-se muito, muito bem e pode-se pagar menos que 100 mangos por casal. A conta fechou por volta dos 90, que a esta altura do campeonato já era quase de graça.

Restaurante Du Gandolfo

  • Endereço: Rua Homero de Miranda Gomes, 3382. Centro, São José/SC
  • Telefone: (48) 3247-4334
  • Estacionamento: sim
  • Aceita cartões: sim

Sushi by Cleber: uma boa lembrança de Porto Alegre

Vocês já conhecem o Prato de Boa Lembrança? Se depender da minha vontade, vocês ouvirão falar muito dele por aqui. Isso porque decidi colecioná-lo. Será difícil, pelo que sei apenas dois restaurantes em Santa Catarina fazem parte desta associação criada em 1994 pelo italiano Dânio Braga, com a intenção de reunir restaurantes que servem comida de excelente qualidade e incentivá-los a darem uma espécie de souvenir para que o cliente leve pra casa. É uma peça de louça pintada com algum tema que lembre o restaurante, a ser utilizado como uma obra de arte na decoração do seu lar. Hoje são cerca de 90 restaurantes participantes espalhados pelo Brasil.

sushi-by-cleber-prato-boa-lembranca-ceramica
Prato da Boa Lembrança do Sushi By Cleber. A visita foi feita em janeiro de 2014, antes do lançamento do prato deste ano.

E por incrível que pareça o primeiro prato da coleção não foi adquirido aqui em Floripa, foi na capital dos gaúchos. Porto Alegre conta com um número maior de membros e foi no Sushi by Cleber, um simpático, aconchegante e saboroso restaurante de comida japonesa que essa vontade começou.

sushi-by-cleber-entrada

O Sushi By Cleber não fica numa avenida principal ou de grande movimento, tem a característica dos bons restaurantes: tão escondido que passe despercebido pelos transeuntos. Mas que de tão bom transforma uma pacata e quase deserta rua na Zona Norte da capital dos gaúchos num grande estacionamento no horário de abertura da casa. Pra conseguir um lugar lá é preciso ser paciente e aguardar alguns poucos minutos. A cortesia desde que seu nome é colocado na lista é evidente, continua na mesa com os garçons e todos os envolvidos no atendimento que é de primeiríssima qualidade.

sushi-by-cleber-prato-boa-lembranca

O Prato da Boa Lembrança servido no Sushi By Cleber chama-se “Quem não arrisca não petisca” e custa R$79. Ele é um combinado variado e composto por 6 camarões Ebiguru, 5 fatias de sashimi de atum selado, 5 fatias de sashimi de salmão, dois nigirizushi Shake maçaricado, tartar de salmão e ceviche com calda ananako.

Só este combinado já fez muito sushi que conheço ir pro vinagre, pois além de muito criativo em seus ingredientes é saboroso, causa um verdadeiro êxtase no paladar. E, claro, ainda ganha-se este lindo mimo pra levar pra casa no final da refeição.

Mas este foi só o primeiro pedido da noite. Mesmo achando que começando tão bem o jantar e com a possibilidade de o restante dos pratos ficarem aquém das expectativas causadas pela “entrada”, continuava com vontade de desbravar o cardápio da casa.

sushi-by-cleber-ovas-shitake-macaricado

Na sequência pedi o Massagô (um gunkanmaki com ovas de capelin) e o Shakemeji (nigirizushi de salmão maçaricado com shimeji). A foto está um pouco escura por conta da luz ambiente (é, eu sei, vou comprar uma câmera de gente grande!), mas dá pra entender o sabor que estas pequenas e ricas duplas de sushi proporcionaram.

sushi-by-cleber-uramaki

Depois experimentamos um prato dos uramakis: o Shakeji. A noite foi praticamente baseada em salmão e cogumelos, e esse uramaki no estilo filadélfia com shimeji e gergelim torrado fechou com maestria a parte dos sushis.

sushi-by-cleber-gyooza

Ainda com espaço pra experimentar algum prato quente, mas nem tanto que permitisse um prato mais robusto pra ficar um espaço pra sobremesa, escolhi o Gyooza. Um pastelzinho cozido e depois chapeado recheado com carne bovina e nirá, uma das variações mais deliciosas desta iguaria, que de tão simples chega a ser comovente com o sabor que oferece.

sushi-by-cleber-tempura-sorvete-mel-engenho

Fechou o jantar a deliciosa e lindíssima sobremesa Katauai: tempurá de sorvete com mel de engenho. A foto fala por si só e o pâncreas dá um pulo dentro do vivente.

A conta fechou em aproximadamente R$250 para duas pessoas.

Algo que notei em todos os pratos: arte. Não se faz comida por fazer, pra alimentar apenas o corpo dos que lá se sentam para uma refeição. Além do paladar e do olfato, a visão é agradada e todo momento com a montagem e apresentação dos pratos. Tudo é minuciosamente preparado para que chegue até a mesa dando um show de gastronomia.

Ao contrário do que achava, os demais pratos são de igual grandiosidade com o primeiro que oferece o Prato da Boa Lembrança. Apesar de eu fazer estrepolias começando com combinados, indo para os principais e terminando com uma entrada, estava tudo perfeito e, mais: correspondendo totalmente as expectativas. Agora sei porque consideram o Cleber um dos melhores chefs de comida japonesa de Porto Alegre.

Sushi By Cleber

  • Endereço: Rua Des. Esperidião de Lima Medeiros, 317. Três Figueiras, Porto Alegre.
  • Telefone: (51) 3328-8330
  • Aceita cartões: sim
  • Wifi: sim

A culinária contemporânea do Bistrô Santa Marta

É quase impossível passar pela estrada geral do Canto da Lagoa e não perceber uma casa centenária e muito charmosa, vermelha, imponente numa das curvas da sinuosa rodovia. Edificada há pelo menos 120 anos no estilo açoriano de se construir hoje abriga um lugar muito aconchegante e confortável, o Bistrô Santa Marta.

bistro-santa-marta-fachada

Soube da existência do Bistrô Santa Marta pela Bárbara Beck, a atual Chef do restaurante e amiga deste que vos escreve. Conheci a Bárbara não me lembro onde nem quando. Não somos amigos de muito tempo, embora nossas conversas sobre comida me façam sentir até no timbre de sua voz uma paixão pelo faz, como se conversássemos sobre seus pratos e sua forma de cozinhar há anos.

E o que era apenas papo materializou-se na última semana. Estive no Santa Marta pra enfim confirmar as expectativas, e posso garantir que todas elas foram lindamente superadas.

bistro-santa-marta-interna

Pra começo de conversa o lugar é muito aconchegante. Ia dizer que me senti muito em casa jantando no Santa Marta, mas acho que nem minha casa é tão confortável, tecnicamente falando, do que o Bistrô. O restaurante tem poucos lugares, mobília muito linda de se ver e de se estar, decoração que foi acumulada e feita pelo casal de proprietários Branco e Milene. De fundo, música suave e num tom agradável harmoniza o ambiente.

O atendimento é perfeito. Pudera, é feito pelo próprio Branco. Não há garçom, da forma característica como vemos. O muito simpático e gentil proprietário do Bistrô Santa Marta é quem faz as vezes de garçom e atende os clientes nas mesas. Auxilia na hora do pedido, ajuda na escolha do vinho, quem sabe uma cerveja pra harmonizar… se pedires um drink, é a Milene quem faz.

Jardim de Cogumelos
Jardim de Cogumelos

E a mágica continua dentro da cozinha. Pra abrir os trabalhos escolhemos o Jardim de Cogumelos, prato este que pela primeira vez experimentei algum toque da cozinha molecular. Trata-se de um mix de cogumelos salteados na manteiga de ervas, acompanhando um delicioso molho a base de shoyu e limão siciliano. O toque da gastronomia molecular veio com a “areia do jardim”, que são azeitonas negras desidratadas e azeite de oliva reconstruído. Ou algo assim, ainda sou muito leigo no assunto.

Carré de Cordeiro, purê de mandioquinha, alho confitado e geléia de pimenta
Carré de Cordeiro, purê de mandioquinha, alho confitado e geléia de pimenta

Para o prato principal escolhi o carré. Há tempos estava com vontade de comer um cordeiro bem preparado, coisa rara de se achar. E acertei em cheio. O Carré da Ilha, que é um carré de cordeiro marinado no vinho branco e acompanhado de purê de mandioquinha, alho confitado e geléia de pimenta é uma delícia. Como dizem os gaúchos, que entendem do riscado, “lôco de especial!”. Tive vontade de aplaudir mas estava tão bom que mal tirei as mãos dos talheres.

Polvo grelhado com lâminas de alho, ao molho dijón e risotto milanês.
Polvo grelhado com lâminas de alho, ao molho dijón e risotto milanês.

A minha querida amiga Michele pediu um Polvo da Magia. São tentáculos de polvo grelhados com lâminas de alho, ao molho dijón, acompanhado de um delicioso risotto milanês. Experimentei um pouco desse prato e não fosse o cordeiro estar muito bom, teria pedido pra ela trocar comigo.

Petit Gateau
Petit Gateau

Já estava satisfeitíssimo com a refeição quando soube pelo Branco que o Petit Gateau é fabricação própria. Hoje em dia a maioria dos restaurantes terceiriza essa parte, por uma questão de praticidade. Fui obrigado a experimentá-lo. Um macio bolinho de chocolate recheado com um saboroso creme. “Escorreu o recheio? se não escorreu não tá bom”, diz o Branco. Tá escorrendo é saliva de lembrar dessa maravilha ao escrever este post.

O preço é honesto. Todo o serviço, incluindo bebida, água, entrada, prato principal e sobremesa custou cerca de R$80.

Mas tem uma coisa que o dinheiro ainda não paga. A satistação de degustar uma excelente comida e ser muito bem atendido num lugar muito especial. Vida longa e próspera ao Santa Marta!

Bistrô Santa Marta

  • Endereço: Rua Laurindo Januário da Silveira, 1350 . Canto da Lagoa, Florianópolis.
  • Telefone: (48) 3371-0769
  • Horário: de segunda à sábado, das 19h à 0h.
  • Aceita cartões: sim
  • Estacionamento: sim

Risotto de linguiça defumada e shitake

Ando numa fase em que tudo vira risotto. Assim como sobras viram carreteiro, pedaços de linguiça, cogumelos que não foram usados naquela outra receita e aquele restinho de ervilha congelada se misturam com arroz arbóreo, manteiga e alguma bebida alcoólica resultando na minha, talvez, comfort food preferida dos últimos tempos, da última semana.

Risotto de Linguiça defumada com Shitake
Risotto de Linguiça defumada com Shitake

Foi o que aconteceu com uma “perna” de linguiça que defumada que tinha na casa da Sara. Não era lá uma linguiça Blumenau, mas já era alguma coisa. Juntei um pouco de cogumelos tipo shitake, uma taça de vinho e tava feito o almoço.

E sem delongas vamos aos ingredientes e no modo de fazer deste prato simples, rápido e buenacho.

Ingredientes

Ingredientes do Risotto
Ingredientes do Risotto
  • 300g de linguiça defumada
  • 150g de cogumelo shitake
  • 1 punhado de arroz arbóreo
  • 50g de manteiga
  • 1 taça de vinho branco
  • 1/2 copo de cachaça ou conhaque para flambar (opcional)
  • 1 tablete de caldo de legumes
  • 1 litro de água fervente
  • 1 cebola pequena picada
  • 2 dentes de alho amassados
  • Sal e pimenta a gosto

Como fazer

Frite bem a linguiça
Frite bem a linguiça

Primeiramente você dá uma leve fritada no shitake em uma colher de azeite de oliva, reserve. O mesmo procedimento você faz com a linguiça defumada. Caso queira, pode flambar a linguiça em cachaça ou conhaque adicionando na frigideira a bebida e ateando fogo (muito cuidado!) até que o álcool seja consumido.

PS: eu separei alguns cubinhos de linguiça e fritei mais um pouco até ficarem bem crocantes para adicionar como cobertura na finalização do prato. Recomendo!

Depois em uma panela você coloca mais um pouco de azeite de oliva e refoga a cebola, depois o alho e em seguida o arroz. Feito isso você adiciona o vinho branco e aguarda evaporar bem o álcool. Logo após junte a linguiça.

Mexa o risotto com vigor
Mexa o risotto com vigor

Em paralelo você vai ter o tablete de caldo de legumes já dissolvido no litro de água fervente. Acrescente a primeira concha e deixe cozinhar. Como já é prache no risotto, você deve ficar mexendo com uma colher grande (de plástico ou madeira, de preferência) sempre, e com vigor, para que ele libere o amido.

Nesse momento você pode colocar pimenta a seu gosto. Eu não usei sal porque a linguiça já era salgada o suficiente, ainda mais depois de fritá-la quando o sabor salgado se expande, mas caso você queira, fica a seu critério.

O processo de hidratá-lo quando for secando com uma concha do caldo continua até que o arroz fique al dente, sempre mexendo com vigor. Na última concha você acrescenta o shitake para que ele pegue um pouco do gosto da linguiça.

Risotto de Linguiça Defumada e Shitake: delícia!
Risotto de Linguiça Defumada e Shitake: delícia!

Ao desligar a panela, junte a manteiga e mexa mais um pouco para que ela finalize a cremosidade do risotto. Se você seguiu minha recomendação e fritou um pouco da linguiça bem crocante para cobrir o prato, a hora é agora e está pronto!