Arquivo da tag: destaque

Receita: Pizza de linguiça Blumenau na frigideira

Você já deve ter ouvido falar na linguiça Blumenau. Trata-se de uma linguiça feita de pura carne de pernil e paleta suína, levemente defumada, que mantém a receita trazida dos colonizadores alemães da cidade mais germânica do Brasil: Blumenau.

A marca mais conhecida e que fabrica o melhor produto é a IPOM. A tradicional linguiça Blumenau então tem a famosa etiqueta nas cores verde e amarelo e é exposta nos mercados aqui do Sul na já conhecida casinha com telhado de madeira, juntamente com outros embutidos produzidos pela supracitada empresa.

Ingredientes da Pizza de Frigideira
Ingredientes da Pizza de Frigideira

Estava com vontade de algo prático mas não queria perder em sabor, então misturei algumas coisas que estavam sobrando na geladeira e resultou nesta pizza de frigideira.

Ingredientes para 6 pizzas

  • Uma “roda” de linguiça suína pura e defumada
  • Molho de tomate (usei molho pronto)
  • Massa pronta para pizza de frigideira (pct com 10 un.)
  • Manjericão e orégano frescos
  • 400g de peito de peru picado
  • 400g de queijo mussarela em lascas
  • Azeitonas picadas
  • 1 cebola
  • Azeite

Como fazer

O processo é rápido: deixe todos os ingredientes à mão
O processo é rápido: deixe todos os ingredientes à mão

A linguiça Blumenau tem uma característica: é difícil você tirar a pele. Então é mais fácil você tirar o miolo após cortá-la. Eu tive a paciência de tirar a primeira camada da pele pra preservar a casca que vem abaixo, que dá um sabor mais picante e forte ao prato.

Então pique a cebola e a linguiça e refogue com um pouco de azeite e reserve.

Numa frigideira grande e antiaderente, coloque umas gotas de azeite e passe um papel toalha pra tirar o espalhar bem e tirar o excesso. Não deixe óleo pra não fritar a massa, apenas pra não ter risco de grudar. Aqueça a frigideira em fogo baixo, o menor possível.

Coloque uma folha de massa, jogue o molho de tomate, o queijo, o orégano e deixe 1 minuto e meio até o queijo começar a derreter. Jogue o manjericão, o peito de peru, a linguiça e as azeitonas.

Deixe mais dois ou três minutos, use uma espátula para sentir quando a massa começa a ficar durinha e crocante.

Este processo nunca leva mais de 5 minutos, considerando uma boa frigideira e um fogão em perfeito estado de funcionamento. Então seja rápido e deixe todos os ingredientes à mão.

Pizza de Linguiça Defumada feita na frigideira
Pizza de Linguiça Defumada feita na frigideira

Rápido, fácil e saboroso!

 

Wa Sushi: comida japonesa em movimento

Abriu recentemente no Santa Mônica, em Florianópolis, uma nova casa de sushis. O post começa com uma notícia que talvez tenha ares de mesmice mas a proposta é diferente. O Wa Sushi, que já tem uma loja no bairro Trindade nos moldes tradicionais de sushibar, agora está ao lado do Shopping Iguatemi oferecendo o “Sushi em Movimento”.

Wa Sushi: ambiente limpo e bonito. Higiene também impressiona.
Wa Sushi: ambiente limpo e bonito. Higiene também impressiona.

“Se você teve uma idéia inovadora, certamente um japonês já pensou e colocou em prática”, disse meu amigo Rafael Slonik quando visitamos o Wa Sushi pela primeira vez. O Slonik estava certo, o que pra nós é uma grande novidade, já existe em tantos outros lugares e no Japão deixou de surpreender.

Rodízio por esteira
Rodízio por esteira

Falo do estilo de servir o sushi, o tal do “sushi em movimento”, onde duas esteiras em cima de um balcão vão circulando com os pratos que os chefs vão fazendo e passando ao lado das mesas (ou no próprio balcão, mais tradicional sushibar). Os pratos contém geralmente dois ou três sushis (ou niguiris, bolinhos de salmão, rolinhos primavera etc.) e são protegidos por uma tampa plástica.

httpv://www.youtube.com/watch?v=DBpb6OStCpY
O sushi deles é muito bom. Posso afirmar que já é a melhor comida japonesa da cidade, para o que se propõe a oferecer. Além de fazer bem o simples, se arriscam a fazer coisas que até então não tínhamos experimentado, como o nigiri de haddock (o que eu chamo de nigiri de bacon), o sushi que é feito com pasta de salmão e cebolinha mas envolto numa rodela de lula fresca, ou o que tem uma “capa” de nabo.

Sushi de Lula
Sushi de Lula

Outra delícia é o nigiri de ovo, uma espécie de omelete bem fina e enrolada em cima do tradicional bolinho de arroz.

Niguiri de omelete
Niguiri de omelete
Sashimis
Sashimis

Esse rodízio também conta com yakissobas, rolinhos primavera, ebi furai (camarão à dorê), missoshiro e temakis. E assim como os sashimis de salmão, atum, peixe branco, camarão, kani e polvo, não passam pela esteira, pois são alimentos que devem ser consumidos frescos ou como no caso das frituras, ainda quentes. Então você pede separadamente para garantir o sabor destes.

Niguiri de Haddock
Niguiri de Haddock

O ambiente deles é bom (só é muito cheio, desde que abriu a casa está lotada, chegue cedo ou reserve!), climatizado, limpo e bem decorado.

O atendimento não deixa a desejar, pelo contrário, é bem eficiente, prestativo. Funciona.

A casa também serve pratos à la carte caso você não queira ficar no rodízio da esteira.

O preço do rodízio por pessoa é de R$54.

Wa Sushi

  • R. Clodorico Moreira, 67 – Santa Mônica – Florianópolis
  • Telefone: (48) 3024-7521
  • Site: não tem
  • Estacionamento: sim
  • Wifi: não
  • Cartão de crédito e débito: sim

Armazém Classic Burguer – back to the 60’s

Na segunda capital nacional do Xis (a primeira é Porto Alegre e região metropolitana), boas idéias de hamburgueres são sempre bem vindas. Eu sou um fã do cheese-alguma-coisa, mas poder ter a oportunidade de comer um hamburguer, como diria… “gourmet”, é sempre interessante.

Já tinha ouvido falar do Coisas de Cinema, uma hamburgueria de Balneário Camboriú, onde não só se faziam burguers com uma qualidade mais elaborada mas também se tratava de um restaurante temático. O mote da casa o próprio nome já denuncia: cinema. Cada lanche é batizado com o nome de um filme e toda a decoração segue a cinefilia.

Ontem, a convite do meu amigo e sócio Everton Veber, fomos até o Armazém Classic Burguer, em São José (SC) para experimentar a tal novidade na movimentada via “gastronômica” do município.

Pra entrar no clima:

httpv://www.youtube.com/watch?v=D_XXtuOvKcg

Trata-se de uma hamburgueria com motivo americano sessentista. Nas paredes quadros de artistas da época, no telão filmes do Rei do Rock e no som ambiente a trilha sonora é também de Elvis Presley. Uma Lambretta Brasil (não perguntei, mas chuto algo em torno de 1965 a sua fabricação), uma mesa de brilhar, uma jukebox, uma bomba de gasolina, mesas e bancos estofados acompanhando o design da época, enfim… uma típica lanchonete americana de antanho.

O ambiente - Lambretta, mesa de sinuca e decoração
O ambiente – Lambretta, mesa de sinuca e decoração

Ambiente – 10

Decoração muito bonita, local limpo e impecável, ambiente climatizado, som na medida – nem muito baixo que ninguém ouça, nem muito alto que ninguém possa conversar, banheiros bem limpos e área para agradar os fumantes. Bastante aconchegante. Perfeito!

Atendimento – 10

Os pedidos vieram sem nenhum erro, as atendentes são gentis e totalmente educadas, sabem o que estão oferecendo e demonstram total conhecimento do restaurante. Me senti muito bem tratado lá.

Sanduíche Florida (160g de carne de Fraldinha) + batatas fritas
Sanduíche Florida (160g de carne de Fraldinha) + batatas fritas
Onion Rings + molho barbecue
Onion Rings + molho barbecue

Qualidade da comida – 10

Eles não economizam nos molhos
Eles não economizam nos molhos

Excelente, excelente, excelente. Tudo muito saboroso, cada ingrediente dos sanduíches pode ser bem percebido pelo paladar (não é aquela maçaroca de ingredientes que você nem sabe o que tá comendo), os molhos que acompanham (dos quatro você pode escolher dois, e eu recomendo fortemente a cebola caramelada) são muito bons, catchup e mostarda, como não poderiam faltar, de uma marca famosa pela qualidade etc. Os demais pratos, como Nachos (seção Tex-Mex do cardápio) e Onions Rings, também foram provados e aprovados.

Cardápio de sanduíches
Cardápio de sanduíches

Preço – 10

Achei o preço bem justo. Na verdade, até achei barato. Um sanduíche com hamburguer de 200g de picanha, por exemplo, custa pouco menos de 20 reais. Ainda acompanha batatas fritas ou onion rings.

Média: um 10 bem grande.

Algumas observações:

  • Apesar de eu ter citado apenas os sanduíches com carne e onion rings, é possível também comer sanduíches vegetarianos, sanduíches para crianças, pratos Tex-Mex como Burritos e Nachos, algumas opções de petiscos e sobremesas também ornam um cardápio bem interessante.
Itubaína Retrô
Itubaína Retrô
  • Para beber, além dos tradicionais refrigerantes e cervejas, você tem rótulos artesanais e o refrigerante Itubaína, algo raro (pra não dizer até então impossível) aqui por estas bandas.
  • Cada sanduíche acompanha dois molhos que você pode escolher dos quatro. Eu recomendo fortemente a maionese da casa e a cebola caramelada.

Dados do Restaurante

Armazém Classic Burguer

  • Rua Koesa, 242 – Kobrasol, São José (SC).
  • Telefone: (48) 3047-2023
  • SiteFacebookFoursquare
  • Estacionamento: não
  • Cartões de crédito/débito: sim
  • Wifi: sim

#SocialBotequim: nós fomos!

Fico feliz em ver que algumas empresas estão começando a entender as mídias sociais. Os meus mais de quatro anos no Twitter, por exemplo, me fizeram conhecer verdadeiros exemplos de fracassos quando o assunto é “xoxal mídia” e ver dinheiro de ações de marketing caríssimas indo pro ralo por terem sido mal planejadas, tudo porque agências e empresas esquecem do “social” e lembram-se apenas do “mídia”.

#socialbotequim
#socialbotequim

O Botequim Floripa entendeu bem o recado. Com idéia do Thiago Loch de reunir a nossa galera o boteco localizado na Av. Rio Branco abriu espaço, reservou umas mesas e ofereceu uns “bons drink” pra molharmos a palavra, colocarmos o assunto em dia e passarmos alguns momentos divertidos numa noite bem convidativa.

Se beber não twitte!
Se beber não twitte!

A noite foi muito divertida. Revi alguns amigos que não via há algum tempo, tive oportunidade de conversar com pessoas que já conhecia mas ainda não havia trocado uma idéia e bebi e comi do bom e do melhor. A casa é boa, tem um ambiente agradável, fácil acesso (bem no coração comercial da cidade), mas tenho dois pontos positivos que quero ressaltar:

1) Atendimento. Pelo amor de deus, alá, buda, oxum, Steve Jobs… aprendam a atender um cliente com o serviço do Botequim Floripa. A cozinha e o bar funcionam de forma entrosada, os garçons são rápidos, objetivos e simpáticos… não ficam mostrando os dentes pra agradar demais parecendo uma coisa forçada mas são gentis, brincam com você, usam o seu idioma e não o “garçonês” engessado de restaurante chique, não erram o pedido, você não precisa pedir duas vezes nunca… ALÔ casas de Floripa, um laboratório com a rapazeada do Botequim não faz mal!

Porção de Calabresa - bom preço, boa comida
Porção de Calabresa - bom preço, boa comida

2) Excelente preço. E eu não sei porque criou-se a cultura de que boteco tem que ser caro agora, boteco não é caro. Formou-se um mercado de botecos chiques pra vender caro o que você comia no moquifo da esquina por míseros dinheiros de metal. Parece até que estão tentando transformar a palavra “boteco” em coisa chique, pra high society. Os preços do Botequim Floripa são muito bons, porções de carne, calabresa, pastéis e todas essas iguarias pra dar uma salgada no assunto a preços bem honestos. Não experimentei os sanduiíches, mas o que comi lá eu aprovei. Essa porção de calabresa, por exemplo (que já está quase na metade quando a foto foi tirada), acompanhando pão e farofa, sai por menos de R$20 e atende bem duas pessoas pra um tira-gosto.

Agora quero experimentar a Feijoada com samba que eles fazem aos sábados, vou convidar o meu sócio Everton Veber pra irmos lá e fazermos um review aqui no blog.

Resumindo o enredo, vale a pena conhecer o Botequim. Fica na Av. Rio Branco, 632 no Centro de Florianópolis. Mapa e outras informações no Foursquare ou no site deles.

 

Como escolher uma boa costela no açougue

O meu amigo Everton Veber fez um post aqui mostrando sua receita de Costela Assada no forno com Purê de Batatas e levantou a bola pra que eu escrevesse algo sobre como escolher uma boa costela.

É míster afirmar que a maioria das dicas que aprendi frequentando açougues nos últimos anos não valem só para uma costela, mas também para todos os tipos de carnes. Escolher picanha também é necessário, apesar de ser uma carne de primeira, ela enceja cuidados, por exemplo. E assim com qualquer corte de carne, a qualidade influencia na receita.

Costela, a melhor carne do mundo e também do universo.
Costela, a melhor carne do mundo e também do universo.

Mas a costela tem um cuidado maior. Depois de um tempo você meio que “sente” a carne pelo instinto e o cheiro e a textura já te entregam o caminho das pedras, mas as dicas que eu dou pra que você não faça uma compra ruim no açougue sÃo estas:

1. Procure carne de animais novos. Como o açougueiro não vai te dar a certidão de nascimento da rés, alguns indícios entregam uma carne mais velha – e por consequência dura, cheia de nervos, gordura, ossos e sem tanto sabor:

  • Cor: a gordura amarelada e a carne mais amarronzada entregam a idade do boi: é velho. Não compre carne com esta coloração.
  • Ossos: quanto maior o tamanho da largura dos ossos, mais velho é o boi, em quase todas as raças isso é regra.
  • Cheiro: o cheiro de carne passada é inigualável, não tenho como analisar um exema olfativo aqui no blog, mas tente cheirar a carne pra sentir isso.
  • Elasticidade: o teste do “furo” com o dedo é sempre válido. Lave suas mãos, obviamente e aperte a carne com o indicador. Esse exame vai te falar sobre a maciez da peça.
2. Evite comprar em supermercados. Eu as vezes queimo a língua nessa dica e encontro uma ou outra peça de carne boa em supermercado, mas geralmente as carnes deste estabelecimento, principalmente as pré-cortadas e embaladas naquela bandeijinha de isopor não são legais. Se forem embaladas à vácuo, então, tenho mais medo ainda. Recomendo sempre que você procure uma casa de carnes (uma espécie de açougue porém um pouco mais chique) e consulte o açougueiro.
3. Dianteiro ou traseiro? a costela traseira tende a ser mais macia que a dianteira, pergunte pra genética do boi o porque. Alguns estabelecimentos que fazem promoções super agradáveis estão te vendendo ou carne muito passada e convervada no gelo ou então cortes do dianteiro, próximas às paletas e o peito. Os cortes traseiros de costela, mais próximos ao filé são melhores.
4. Ripa ou ponta-de-agulha? As duas são excelentes, mas você precisa saber o que está levando pra poder planejar melhor o seu preparo. Enquanto a ripa é aquela parte onde os ossos são todos transversais, geralmente mais fina, a ponta-de-agulha é quando os ossos (e nervos) são dispostos em mais de uma direção, é um pedaço mais grosso e que vai demorar mais pra assar/cozinhar/etc.
5. Costela não é barato. Ao contrário do que muitos pensam, a costela não é uma carne barata. Por mais que uma BOA costela custe até 15 reais o kg do produto, diferentemente das 60 dilmas que você paga num quilo de picanha, a costela na hora do preparo perde muita gordura e fibras sem contar o osso que, obviamente, está incluso no peso e você não vai comer. Tanto é que num churrasco ao invés dos tradicionais 300g de porção por participante, costela calcula-se de 500 a 600g por indivíduo. Além disso, uma costela na promoção por R$7 é totalmente desconfiável. Costela é carne boa, não serve pra você fritar no teflon mas nem por isso deve ser desprezada enquanto corte.
Ademais, tenha sempre amizade com um açougueiro, seja fiel ao seu açougue que você terá sempre menores riscos de comprar gato por lebre.

Creme de mandioquinha no pão italiano

Compartilho com alguns amigos da opinião de que sopa não enche barriga. Desculpem o jeito meio grosso de falar, mas é verdade. Um xirú com o estômago do tamanho do meu não se rende num pratinho de água rala com verduras e algum resquício de carne. Sopa de gordo é vaca atolada, minestra etc. Coisas que dão sustância e fazem você se sentir de bucho chinchado.

Creme de Mandioquinha
Creme de Mandioquinha

Mas queria comer algo levinho na última noite então achei essa receita: Sopa / Creme de mandioquinha servida no pão italiano.

Fica uma delícia, o pão dá um gostinho especial e o miolo dele pode ser aproveitado pra saborear o prato.

Ingredientes

  • 500g de mandioquinha (eu comprei aquelas de caixinha, pré-cozida, não é fácil achar in natura em mercados)
  • 100g de bacon picado
  • 2 cebolas picadas
  • 2 colheres de manteiga
  • 1 1/2 de água quente (não fervente)
  • 1 tablete de caldo de carne
  • 1 colher de café de pimenta branca
  • 1 colher de chá de sal
  • 1 colher de chá de noz-moscada ralada
  • 3 pães tipo italiano
  • Azeite de oliva
  • Salsinha picada (caso goste)

Como fazer

Cozinhando o creme
Cozinhando o creme
  1. Em fogo médio, derreta a manteiga.
  2. Acrescente a cebola picada, o bacon picado e a noz-moscada. Deixe dourar bem.
  3. Depois de dourado, acrescente então a mandioquinha, o sal e a pimenta.
  4. Coloque a água quente e deixe cozinhar ainda em fogo médio até que a mandioquinha fique macia.
  5. Feito isso, coloque toda a mistura dentro do liquidificado e bata até fazer um creme homogêneo.
  6. Corte a “tampa” dos pães, retire o miolo deles com os dedos, jogue um fio de azeite de oliva e sirva o creme dentro. Coloque por cima um pouco de salsinha picada caso você goste, serve pra dar um colorido.
O mais trabalhoso é cortar o pão e retirar o miolo com os dedos, o resto é tranquilo
O mais trabalhoso é cortar o pão e retirar o miolo com os dedos, o resto é tranquilo

Dados do prato

  • Tempo de preparo: aprox. 30 min.
  • Rendimento: 3 porções grandes.
  • Dificuldade: Mais fácil que roubar doce de criança
  • Custo total: R$30

PS: o miolo do pão passado no creme é uma boa pedida!