Uai di Minas: não basta ser regional, tem que ser mineiro

Eu sou um apaixonado pelas culinárias regionais. Experimentar os temperos, conhecer os aromas, o toque de cada cozinha e a peculiaridade dos ingredientes de outros povos me fascina muito. Não é só saciar a fome, a cada garfada numa comida típica você está absorvendo toda uma cultura, características que foram sendo adquiridas com o passar dos anos, técnicas desenvolvidas a partir de necessidades de um determinado povo a cada ciclo do tempo.

Quando você come um prato típico você não só fica menos faminto e mais gordo, você também fica menos burro. Gastronomia também é cultura e consumir culinária regional é beber direto desta fonte.

E se há tanta carga numa culinária regional, posso garantir que a comida mineira é a junção disso tudo com um toque de afeto. O mineiro não faz comida, ele faz uma poesia. Ele te seduz a cada vez que a faca corta um pedaço de pimenta ou cebola, flerta com o teu paladar, faz uma declaração de amor à boa amizade quando hospitaleiramente faz um simples e humilde pão de queijo.

Torresmo. Sem mais.
Torresmo. Sem mais.

Comida mineira é um filme melodramático. Comida mineira se come com garfo, faca e lenço. Você vai chorar no final.

Há algum tempo atrás eu havia feito uma parada no Uai di Minas, uma espécie de restaurante/bar/empório instalado em Florianópolis. Na primeira visita eu apenas provei o doce de leite caseiro e queijos vindo direto de Patos de Minas. Na segunda oportunidade comi a feijoada que é servida todos os sábados. E agora, desenvolvendo este texto, acabo de chegar da terceira visita onde experimentei a famosa “Cumida di buteco”, de terças à domingos a noite disponível por lá.

Toda essa expectativa regional, cultural e dramática que eu escrevi acima foi correspondida.

Empório

No empório, produtos “importados” diretamente de produtores e cooperativas de Minas Gerais. Mais de 20 tipos de queijos incluindo o Queijo Canastra, patrimônio tombado pelo Iphan e comercializado aqui, doces caseiros feitos com 90% de leite, compotas e docinhos na palha, refrigerantes com o selo mineiro de procedência, enfim… TUDO no restaurante é mineiro. Regional por excelência.

Destaque pro pão-de-queijo “Trem di Minas”. Você pode levar congelado pra casa e assar quando quiser.

Feijoada

Feijoada
Feijoada

A feijoada é servida todos os sábados ao meio-dia e preserva a forma original de preparo, acompanhada de arroz, massas, farofa, quiabo bem preparado, couve, torresminho frito, carnes na chapa, gomos de laranja, salada etc. Uma excelente opção de almoço a um preço bem honesto, módicos R$23 para o buffet livre.

Comida de boteco

Ou “cumida di buteco”, como eles dizem. Aliás o cardápio, as placas dentro do restaurante e toda a temática é escrita com o simpático dialeto mineiro. Escreve-se como fala-se lá em Minas.

Frango a passarinho
Frango a passarinho

As noites no Uai di Minas as grandes estrelas são os petiscos comumente servidos em botecos. Entre elas estão a costelinha suína, alcatra na chapa, fígado com quiabo, linguicinha com cebola e — SANTO DEUS! — o torresmo frito. Repita comigo: “eu não conheço comida mineira se não comer o torresmo do Uai di Minas”, e que nossos cardiologistas não nos escutem. A maioria destes pratos são acompanhados de batatas ou mandiocas fritas.

Costelinha suína e aipim frito
Costelinha suína e aipim frito

O preço a noite também é honesto, estes pratos custam algo entre 18 e 29 reais e servem bem duas pessoas.

Atendimento

Bem prestativo, funcional, educado. Destaque pra Karen, uma moça que nas três vezes em que estive lá foi muito simpática, risonha, nos atendeu muito bem. Parabéns!

Café

Cafezim
Cafezim

Menção honrosa para o cafezinho servido em bules e xícaras rústicas, passados na sua frente em coador. A imagem diz tudo e certamente você vai sentir o cheiro por aí.

Ademais, sugiro fortemente a visita. Experimente algum prato e traga um doce de leite puro pra casa!

Uai di Minas

  • Rodovia Doutor Antônio Luiz Moura Gonzaga, 1667. Rio Tavares – Florianópolis, SC
  • Tel.: (48) 3334 0094
  • SiteFoursquare
  • Estacionamento: sim
  • Aceita cartões de crédito e débito: sim
  • Wifi: sim
Créditos: as fotos “Torresmo“e “Frango à passarinho” foram feitas e são uma gentileza da amiga e parceira de comiderias Michele Xavier.

 

5 ideias sobre “Uai di Minas: não basta ser regional, tem que ser mineiro”

  1. Esse lugar me deu uma baita nostalgia pois lembrei muito do meu vô, que era mineiro. Em todos os cantos eu via algo que fazia lembra-lo, em especial o torresmo.
    O torresmo deles é muito bom. Principalmente se pegar ainda quentinho.

    Aliás, não tenho muitas queixas do lugar. Só elogios. Exceto pelo fato de você sair de lá com cheiro de comida. Mas mesmo assim tudo é válido.

    Ainda quero provar essa costelinha suína… 😛

  2. Nossinhoradapricida….jisuis…tanto elógio kifeiz os meuzoi bria…tudo kinóis faiz é com muito carinho pensando nocêis…

    Na loja da Bocaiúva us trem é bão dimais da conta também, nossinhora, o armoçu lá é serviço impratado kiocê iscoi o kiké e nóis faiz na hora procê…

    Grande abraço procêis do verdadeiro Mineiro Uai…

    1. Isquici di falar concêis…não deixe di isprimentá a pizza cum a massa di pão di queijo…boa dimais da conta…massa bem fininha recheada de queijos mineiros…

      Domingo e segunda – 18:00 as 21:30 – Rio Tavares

      Terça e Quinta – 18:00 as 21:00 – Bocaiúva.

      Isperamo ocês lá…

      Intê

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *